Xingu - Tradição e modernidade

A memória de um povo se mantém por meio dos registros, sejam eles impressos nas mentes ou nos instrumentos. Nesse sentido, a fotografia se apresenta como um meio rico de revelação e apropriação da cultura.

Ao expor o resultado de um trabalho, como bem fez a fotografa Rosa Berardo, nos brinda a todos a possibilidade de nos ver e nos reconhecer enquanto seres sociais. Assim, capazes de trocar conhecimentos de ontem e de hoje, ao visitarmos a exposição no hospital, podemos olhar para nossas próprias diferenças e semelhanças.

O que tem o índio de tão nosso que nos faz rever e repensar nossa própria história? O que tem o hospital que nos aproxima da nossa existência frágil e ao mesmo tempo tão forte? Reabilitar é um caminho, uma direção que nos aponta ora ao passado e ora ao futuro. Assim como os povos tradicionais indígenas, do campo e de matriz africana. Somos seres relacionais em contínua construção.

E assim, acontece na exposição Xingu - Tradição e modernidade, que nos faz pasmar diante do reconhecimento de Gabriel, paciente de 10 anos: "Os índios pintados não estão nus, eles estão vestindo suas roupas de gala para comemorar". Ou da mãe que acompanha sua filhinha: "Nunca imaginei que podia ver fotografia de índio em um hospital; isso é muito bom pra ensinar aos meninos que ser diferente não é ruim".

"E no Xingu a cada dia eu me dava conta da infinidade de detalhes, riquezas culturais que a pobreza dos enquadramentos não conseguiam abarcar. Sem megalomanias tentei fazer o que pude, dentro dos limites do quadro fotográfico e dos meus..." Rosa Berardo

Período:
16 de fevereiro a 14 de abril de 2017

Local:
Hospital Sarah São Luís

Exposições anteriores
SARAH Brasília
SARAH Belo Horizonte
SARAH Salvador